acesso rápido

Cedeplar

Institucional 

Secretaria de Pós-Graduação

Economia e Demografia

Demografia

Mestrado e Doutorado

Economia

Mestrado e Doutorado

Notícias

Informações a Comunidade Acadêmica

Agenda

Eventos

Contato

Fale Conosco

Pesquisas e extensão

Linhas e Grupos de pesquisa

                     

 

 

agenda

23 Ago
Seminário de Pós-Graduação em Economia
23.08.2018 2:30 pm - 5:30 pm

O próximo seminário de pós-graduação em Economia ocorrerá no dia 23 de agosto, às 14:30 horas, no auditório Rodrigo Simões da FACE. O convidado é o prof. Nicholas Vonortas, que proferirá a palestra "Configurations of knowledge-intensive entrepreneurial ecosystems: an assessment of the state of São Paulo, Brazil".

 

27 Ago

Defesa de Tese do Programa de Pós-Graduação em Economia/CEDEPLAR/FACE/UFMG

Aluna: DANYELLA JULIANA MARTINS DE BRITO

Título: “Dinâmica da oferta de trabalho familiar no Brasil em um contexto de mudanças demográficas”

Data da Defesa: 27/08/2018

Horário: 14h00

Orientadora: Profa. Ana Maria Hermeto Camilo de Oliveira (Orientadora) (CEDEPLAR/FACE/UFMG)

Banca Examinadora:

Profa. Ana Maria Hermeto Camilo de Oliveira (Orientadora) (CEDEPLAR/FACE/UFMG)

Profa. Kênya Valéria Micaela de Souza Noronha (CEDEPLAR/FACE/UFMG)

Prof. André Braz Golgher (CEDEPLAR/FACE/UFMG)

Profa. Anne Caroline Costa Resende (UNESCO)

Prof. André Junqueira Caetano (PUC/MG)

                                                                                                                                                                                           

Local da Defesa: Auditório nº 3 – Bloco de Seminários - Prédio da FACE/UFMG - CAMPUS PAMPULHA

 RESUMO: Esta tese explora diferentes dimensões da oferta de trabalho familiar no Brasil, com enfoque específico nas mudanças observadas dos arranjos familiares. O argumento principal que permeia toda discussão desenvolvida ao longo da tese é de que as mudanças nos arranjos familiares ensejam alterações na oferta de trabalho. Desse modo, na primeira aplicação empírica, o fenômeno da polarização da oferta de trabalho familiar é investigado ao longo dos anos de 1993 a 2015 no Brasil urbano, com os microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). Registra-se ao longo dos anos um aumento da taxa de famílias em que nenhum adulto trabalha, bem como uma elevação da polarização da oferta de trabalho entre os agregados familiares. Os estados pertencentes a região Nordeste possuem as maiores taxas de famílias sem trabalho. No país, o aumento da taxa de famílias sem trabalho decorre mais fortemente de uma crescente distribuição distorcida do emprego entre as famílias, do que de mudanças na estrutura familiar. Ademais, com os mesmos dados, foram obtidos os fatores de risco associados a maior probabilidade individual de viver em uma família sem trabalho. Esses foram estimados a partir de regressões logísticas multinomiais, para as chances de estar numa família em que nenhum adulto trabalha, estar numa família em que todos os adultos trabalham, ou estar numa família em que nem todos os adultos trabalham. Os resultados demonstram que indivíduos adultos, com mais qualificações educacionais são menos propensos a viver em agregados familiares sem trabalho. Sobre as características do domicílio, viver em famílias maiores (em número de adultos), monoparentais, e de casais com filhos, representam menores riscos de estar numa família sem trabalho, ao longo dos anos. As mulheres que vivem em domicílios com elevada razão de dependência infantil apresentam uma maior probabilidade de estar em agregados familiares sem emprego, e tais chances são mais expressivas do que as observadas para os homens. Na segunda aplicação empírica, é investigada a conexão entre oferta de trabalho familiar e o desemprego do principal responsável pela família (efeito trabalho adicional), e se essa relação difere ao longo dos anos e entre distintas gerações. Intentando responder se o processo de transição demográfica, que se reflete sobre a composição das famílias, gera alterações sobre os principais condicionantes da oferta de trabalho das esposas, filhas e filhos. Para tanto, são utilizados os microdados da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) dos anos entre 2002 e 2015. Por intermédio das metodologias probit e probit multinomial, com as devidas correções de seletividade amostral, os principais resultados mostram que o processo de ativação na força de trabalho (transição da inatividade para ocupação ou desemprego) nas gerações mais jovens, tanto para esposas, como para filhos e filhas, parece depender cada vez menos da condição de trabalho do principal responsável pela família. Para tais gerações os aspectos individuais e características do agregado familiar mostram-se fatores mais relevantes para a decisão de oferta de trabalho.

ABSTRACT: This thesis explores different dimensions of family labor supply in Brazil, with a specific focus on the observed changes in family arrangements. The fundamental hypothesis to be tested is whether the changes in family arrangements alter the household labor supply. Thus, in the first empirical application, the phenomenon of family labor supply polarization is investigated over the years 1993 to 2015 in urban Brazil, with the PNAD microdata. Over the years there has been an increase in the household joblessness rate, as well as an increase in the polarization of labor supply among households. The states in Northeastern Brazil have the highest household joblessness rates. The increase in the household joblessness rate results more from a distorted distribution of employment among families than changes in household structure. In addition, with the same data, I obtained the risk factors associated with the greater individual probability of living in a family without work. These were estimated from multinomial logistic regressions, so the chances of being in a household joblessness, living in a household where all the adults work, or being in a household where not all adults work. The results show that more educated adults are less likely to live in households without work. Regarding the characteristics of the household, living in larger families (in number of adults), single parents, and couples with children, represent lower risks of being in a family without work, over the years. Women living in households with high child dependency are more likely to be in workless households, and such chances are more significant than those observed for men. In the second empirical application, I investigate the connection between the labor supply and the unemployment of the head of the household (added worker effect), and whether this relationship differs over the years and between different generations. The PME microdata of the years between 2002 and 2015 are used to answer if the demographic transition process reflected on the families’ composition generates changes on the main determinants of the labor supply of wives, sons, and daughters. Through the multinomial probit and probit methodologies, with appropriate corrections of sample selectivity, the main results show that the process of activation in the workforce (transition from inactivity to occupation or unemployment) in younger generations, both for wives and for sons and daughters, seems to depend less on the working condition of the head of the household. For such generations the individual aspects and household characteristics are more relevant factors for the decision to offer work.

RESUMEN:Esta tesis explora diferentes dimensiones de la oferta de trabajo familiar en Brasil, con enfoque específico en los cambios observados de las familias. La hipótesis principal por ser testada es si los cambios en la composición familiar alteran la oferta de trabajo. De este modo, en la primera aplicación empírica, el fenómeno de la polarización de la oferta de trabajo familiar es investigado entre los años 1993 y 2015 en zona urbana brasilera utilizando los microdatos de la PNAD. Se registra a lo largo de los años un aumento de la tasa de familias en que ningún adulto trabaja, así como una elevación de la polarización de la oferta de trabajo entre los hogares. Las mayores tasas de familias sin trabajo se presentan en los estados pertenecientes a la región Nordeste. En el país, el aumento de la tasa de familias sin trabajo deriva más fuertemente de una creciente distribución desigual del empleo entre las familias, que de cambios en la estructura familiar. Además, con los mismos datos, se obtuvieron los factores de riesgo asociados a la mayor probabilidad de vivir en una familia sin trabajo. Estos fueron estimados a partir de regresiones logísticas multinomiales, para las posibilidades de estar en una familia en la que ningún adulto trabaja, estar en una familia en la que todos los adultos trabajan, o estar en una familia en la que no todos los adultos trabajan. Los resultados demuestran que los adultos con mayor nivel de educación son menos propensos a vivir en hogares sin trabajo. En cuanto a las características del domicilio, vivir en familias mayores (en número de adultos), monoparentales, y de parejas con hijos, representan menores riesgos de estar en una familia sin trabajo, a lo largo de los años. Las mujeres que viven en domicilios con elevada razón de dependencia infantil presentan una mayor probabilidad de estar en hogares sin empleo, la cual es mayor que la observada para los hombres. En la segunda aplicación empírica, se investiga la conexión entre oferta de trabajo familiar y el desempleo del principal responsable de la familia (efecto trabajo adicional), y si esa relación difiere a lo largo de los años y entre distintas generaciones. Intentando responder si el proceso de transición demográfica, que se refleja sobre la composición de las familias, genera cambios en los principales condicionantes de la oferta de trabajo de las esposas, hijas e hijos. Para ello, se utilizan los microdatos de la PME para el periodo entre 2002 y 2015. Por medio de las metodologías probit y probit multinomial, con las debidas correcciones de selectividad muestral, los principales resultados muestran que el proceso de entrada en la fuerza de trabajo (transición de la inactividad para ocupación o desempleo) en las generaciones más jóvenes, tanto para esposas, como para hijos e hijas, parece depender cada vez menos de la condición de trabajo del principal responsable de la familia. Para estas generaciones los aspectos individuales y características del hogar se muestran factores más relevantes para la decisión de oferta de trabajo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

27 Ago

Defesa de Tese do Programa de Pós-Graduação em Economia/CEDEPLAR/FACE/UFMG

Aluno: IGOR SANTOS TUPY

Título: Estudo sobre Resiliência Econômica, Moeda e Território: Abordagem Teórica e Aplicação Empírica para o Caso Brasileiro”

Orientador: Prof. Pedro Vasconcelos Maia do Amaral (ORIENTADOR) (CEDEPLAR/FACE/UFMG)

Coorientadores: Prof. Marco Aurélio Crocco Afonso (Coorientador) (CEDEPLAR/FACE/UFMG)

                           Profa. Fernanda Faria Silva (Coorientadora) (UFOP)

Data da Defesa: 27/08/2018 - Horário: 14h00

Local da Defesa: Auditório nº 2 – Bloco de Seminários - Prédio da FACE/UFMG - CAMPUS PAMPULHA

Banca Examinadora:

Prof. Pedro Vasconcelos Maia do Amaral (Orientador) (CEDEPLAR/FACE/UFMG)

Prof. Marco Aurélio Crocco Afonso (Coorientador) (CEDEPLAR/FACE/UFMG)

Profa. Fernanda Faria Silva (Coorientadora)(UFOP)

Prof. Marco Flávio da Cunha Resende (CEDEPLAR/FACE/UFMG)

Prof. Anderson Tadeu Marques Cavalcante (CEDEPLAR/FACE/UFMG)

Dra. Fabiana Borges Teixeira Santos (AXXIOM)

Profa. Mirian Martins Ribeiro (UFOP)

RESUMO: Esta tese tem como objetivo analisar, de forma teórica e empírica, as relações entre o sistema monetário a resiliência econômica, sob uma perspectiva regional. O estudo da resiliência busca entender as formas diferenciais pelas quais as economias regionais reagem, respondem, se recuperam e se adaptam aos diversos tipos de choques recessivos. Em termos teóricos, o trabalho busca contribuir para as Teorias da Resiliência Regional através da incorporação de um conjunto ainda pouco explorado de seus determinantes: os elementos monetários. Para isso, propõe-se a conciliação de aspectos da Teoria Pós-Keynesiana sobre o papel da moeda e do sistema bancário na economia, com a abordagem evolucionária sobre a resiliência regional. Por meio destas abordagens, argumentou-se que a moeda se insere em uma complexa combinação de fatores que determinam a resiliência das regiões a choques recessivos, direta e indiretamente. Em termos empíricos, utilizou-se métodos de Dados em Painel para investigar como as variáveis bancárias, sobretudo o crédito, influenciam os aspectos de curto prazo da resiliência. A partir do uso de regressões logísticas com efeitos fixos realizou-se uma análise sobre os determinantes da vulnerabilidade das microrregiões a períodos recessivos na atividade econômica. Além disso, buscou-se estimar o impacto dessas variáveis sobre a capacidade de resistência das regiões durante os períodos de crise. A análise realizada teve foco no comportamento do emprego formal nas microrregiões brasileiras no período de 1995 a 2016. Os principais resultados atestam a importância do sistema monetário para explicar capacidades diferenciadas de resiliência entre as regiões no Brasil. Por um lado, os resultados indicaram uma relação direta entre a variável de crédito e a vulnerabilidade regional a períodos de queda na atividade econômica. Por outro, verifica-se que o crédito é um determinante-chave da capacidade de resistência das regiões, uma vez que elas já se encontram em crise. Finalmente, a tese propõe-se a analisar, de forma exploratória, as estratégias dos bancos brasileiros para manterem-se resilientes ao longo do período analisado. Nesse aspecto, discute-se as formas através das quais o sistema bancário se adapta a situações de crise para preservarem sua lucratividade, sobretudo por meio da concentração de mercado e da utilização crescente de inovações financeiras.

ABSTRACT: This thesis analyzes, theoretically and empirically, the relations between the monetary system and the economic resilience, under a regional perspective. The study of resilience aims to understand the different ways regional economies deal with recessive shocks in terms of reaction, response, recovery and adaptation. In theoretical terms, this work aims to contribute to the Regional Resilience Theories by the incorporation of an unexplored set of its determinants: the monetary elements. To do this, it proposes to associate elements of the Post-Keynesian Theory about the role of money and banking on the economy and the evolutionary approach to regional resilience. From these two approaches, the thesis argues that the money inserts itself in a complex combination of factors that determines the resilience of regions to recessive shocks, directly and indirectly. Empirically, it was applied Panel Data Methods to investigate how banking variables, mainly credit, impacts the short terms of resilience. Using a logistic regression with fixed effects the determinants of the vulnerability of Brazilian microregions were analyzed. Moreover, the work estimated the impacts of these set of variables on the regional capacity to resist from shocks, since they happened. The empirical analysis focused on the behavior of formal employment in Brazilian microregions during the period 1995-2016. Results have attested the importance of the monetary system to explain the uneven capacity of resilience between Brazilian regions. On the one hand, it was found a direct relation between the credit variable and the vulnerability of regions to downturns in economic activity. On the other hand, results show credit as a key-determinant of the resistance of regions, since they are in crisis. Finally, the thesis proposes to analyze, in an exploratory way, the Brazilian Banks’ strategies to keep themselves resilient over this period. In this sense, the work discusses the adaptation and adaptability of the Banking System to maintain their high profits, focusing at the market concentration and at the increasing use of financial innovations.

10 Set

O Workshop “Fronteiras da Economia Urbana: Grandes Projetos Urbanos, Dinâmica Imobiliária e Gentrificação” será um espaço aberto e diverso para o compartilhamento de reflexões sobre o estado da arte em Economia Urbana e os tópicos de grandes projetos urbanos, dinâmica imobiliária e gentrificação. Por um lado, o Workshop oferecerá a oportunidade de aprendizado e discussão teórica, com um mini-curso e com as mesas redondas. Por outro lado, promoverá a socialização dos resultados da pesquisa “Grandes Projetos Urbanos: o Estado e a Gentrificação na Região Metropolitana de Belo Horizonte”, um projeto de pesquisa conduzido pelo Cedeplar/UFMG entre 2017 e 2018 e financiado pelo Lincoln Institute of Land Policy. Será o momento de especialistas da área debaterem os resultados empíricos dessa pesquisa.

A participação de jovens acadêmicas e acadêmicos é encorajada, e generosamente apoiada pelo Institute of New Economic Thinking (INET), por meio do Young Scholars Initiative (YSI), promovendo a disseminação do debate acadêmico plural e engajado.

O evento é aberto e gratuito a todos interessados e interessadas.

TODOS PARTICIPANTES DEVEM SE INSCREVER pelo link:

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSd7AfoYxaJZGGFIRtO_f7d42JkVX6M21bHvj4Fv2Nz69FqUQQ/viewform?usp=pp_url.

 

INSCRIÇÕES ATÉ: 24/08/2018

DATA: de 10 a 12 de setembro de 2018
LOCAL: Auditório 3 da FACE/UFMG
Av. Antônio Carlos 6627 - 30270-901 - Belo Horizonte – MG – Brasil