Nota Técnica: A pandemia do Corona vírus no Brasil: demanda emergencial de setores relacionados a saúde e impactos econômicos

Edson Paulo Domingues, Débora Freire Cardoso, Aline Souza Magalhães

Elaborada pelo do Núcleo de Estudos em Modelagem Econômica e Ambiental Aplicada (NEMEA) do Cedeplar-UFMG.

[Download do Documento Completo]

Nota Técnica: Efeitos contracionistas da PEC Emergencial ? O impacto da incerteza do pagamento de salários do setor público na economia brasileira

Edson Paulo Domingues, Débora Freire Cardoso, Aline Souza Magalhães, Thiago Cavalcante Simonato

Elaborada pelo do Núcleo de Estudos em Modelagem Econômica e Ambiental Aplicada (NEMEA) do Cedeplar-UFMG.

[Download do Documento Completo]

  • Esta nota técnica discute a PEC emergencial, chamando a atenção para os potenciais impactos sobre o nível de atividade, emprego e desigualdade.
  • A PEC emergencial enviada pelo governo ao Congresso prevê o corte em até 25% dos vencimentos e das horas de trabalho do funcionalismo público, se necessário, dada a situação de déficits fiscais.
  • A análise meramente fiscal da PEC desconsidera outros impactos, tão ou mais relevantes, dessa politica. O debate e as decisões de políticas públicas precisam ser qualificados com estudos amplos e com rigor metodológico e empírico.
  • O sistema econômico é interdependente, de forma que quaisquer medidas de politica econômica devem ser avaliadas pelo seu impacto em diversas dimensões econômicas: renda, consumo, emprego, preços e desigualdade.
  • Os economistas tem estudado os efeitos de riscos e incerteza sobre a decisão de consumo das famílias. Dentre as respostas a incertezas nos rendimentos está a possibilidade de uma atitude de precaução das famílias, que pode se materializar em redução de consumo.
  • Um efeito adicional de incerteza sobre a renda de servidores públicos pode trazer um elemento adicional de obstáculo para a recuperação econômica, que é um dos objetivos da própria PEC.
  • Para analisar o efeito possível de retração de consumo dos servidores públicos, e traçar seu impacto na economia brasileira, utilizamos um modelo econômico de simulação desenvolvido no NEMEA-Cedeplar da UFMG.
  • A estratégia empírica que adotamos assume que o corte de salários do funcionalismo público implica redução de consumo. Esse choque negativo de consumo impacta as diversas dimensões da economia: produção, emprego, renda, preços e a própria arrecadação de tributos.
  • O setor da Administração Pública pagou cerca de 220 bilhões de reais em salários, 12% do total de salários pagos, em 2018, no Brasil. Testamos três cortes de consumo das famílias de servidores públicos: 5%, 10% e 25%.
  • Nossos resultados indicam que o PIB pode recuar de -1,4% (corte de 25%) a -0,30% (corte de 5%) como efeito de curto prazo desse tipo de política, em relação a um cenário sem essa política.
  • Ao longo dos trimestres seguintes, há ajustes que levam a impactos (queda) menores. Mas, no médio prazo, o impacto negativo é permanente se a medida não for revertida: -1% para corte de 25% e -0,2% para corte de 5%.

Informamos que a Aula Inaugural dos Programas de Pós-Graduação do Cedeplar, que seria proferida pelo Professor Ricardo Magnus Osório Galvão, do Instituto de Física/USP e ex- diretor Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, no dia 20 de março de 2020, está cancelada.

Tão logo tenhamos nova data, informaremos.

 

Divulgados os resultados dos pedidos de inscrições em disciplinas isoladas nos Programas de Pós-Graduação em Demografia e Economia.

Acessem:

Demografia:

Economia

 

Para emissão da GRU clique aqui: 

Informamos que houve uma alteração na data definida para divulgação dos resultados das inscrições em disciplinas isoladas nos Programas de Pós-Graduação em Demografia e Economia.

O resultado será divulgado no dia 10/03/2020 (terça-feira).