Defesa de Tese de Renata Guimarães Vieira - Economia

Calendário
Defesas
Data
19.02.2018 1:30 pm - 5:30 pm
Localização

Descrição

Defesa de Tese do Programa de Pós-Graduação em Economia

 Título: “NÓS SOMOS RAIZ DO LUGAR” -  Produção do espaço na Comunidade Quilombola São José do Barro Vermelho"

Aluno: Renata Guimarães Vieira

Data da Defesa: 19/02/2018

Local da Defesa: Auditório nº 4  – Bloco de Seminários - Prédio da FACE/UFMG - CAMPUS PAMPULHA

Horário: 13h30

Orientador:   Prof. Roberto Luís de Melo Monte-Mór (CEDEPLAR/FACE/UFMG)

Banca Examinadora:   

Prof. Roberto Luís de Melo Monte-Mór (CEDEPLAR/FACE/UFMG)

Prof. João Antonio de Paula (CEDEPLAR/FACE/UFMG)

Profa. Sibelle Cornélio Diniz da Costa (CEDEPLAR/FACE/UFMG)

Prof. Aderval Costa Filho (FAFICH/UFMG)

Profa. Angela Maria da Silva Gomes (UNI-BH)

Prof. Bruno Nogueira Guimarães (UFRJ)

RESUMO:A partir da narrativa da modernidade, a Europa conformou um mundo simbólico e material que se expande para além de seu continente de origem. O encontro colonial é formador da narrativa moderna, e também de sua outra face: a colonialidade. A colonialidade se baseia na dominação e exploração do Outro, através, principalmente, do racismo e do capitalismo. O desenvolvimento é, contemporaneamente, uma narrativa extensamente utilizada pelo Estado brasileiro. Sobre tal narrativa, repousam os preceitos da colonialidade. A produção do espaço promovida pelo Estado está comprometida com tais preceitos, que se tronam mais claros quando há conflitos territoriais entre Estado e comunidades tradicionais. Com base nestas reflexões, este trabalho discute a produção do espaço promovida pelo do Estado e pela Comunidade Quilombola São José do Barro Vermelho, e busca compreender o conflito entre os comunitários e a criação do Parque Estadual da Serra das Araras, sobreposto às terras ocupadas e utilizadas pelos moradores. Finalmente, concluo que a comunidade assume uma atitude de resistência diante da homogeneização do espaço e da vida proposta pela modernidade-colonialidade, produzindo espaços para a diversidade, que a dialogam com a noção lefebvreana de espaço diferencial.

Palavras-chave: Colonialidade; Comunidade Tradicional; Espaço Diferencial.

ABSTRACT: From the modernity narrative, Europe had shaped a symbolic and material world which expands itself beyond its origin continent. The colonial meeting has formed modern narrative and it has also another face: the coloniality. The coloniality is based in the domination and exploitation of the Other, mainly through racism and capitalism. The development is, currently, a narrative extensively used by Brazilian State. On such narrative are laid down the coloniality preconceptions. The production of space by the State is committed to such preconceptions, which becomes more evident when there are conflicts between this State and traditional communities. Based on these concepts, this work aims to reflect about the production of space promoted by the State and by the Quilombola Community São José do Barro Vermelho. Then, the work seeks to comprehend the conflict between the dwellers and the creation of the State Park of Serra das Araras, overlaid to the land occupied and used by the community. Finally, I conclude that the community assumes a behavior of resistance against the homogenization of the space and the life proposed by the modernity-coloniality, producing spaces to diversity which dialogues with Lefebvre’s notion of differential space.

Keywords: Coloniality; Traditional Community; Differential Space.

Informações de localização

Auditório 4 - Faculdade de Ciências Econômicas - UFMG

País
Brasil
Estado
Minhas Gerais
Cidade
Belo Horizonte