O Programa de Pós-graduação em Economia da Universidade Federal Minas Gerais, ofertado pelo Cedeplar, foi criado em 1968 tendo como área de concentração a Economia Regional. Ao longo do tempo o Curso diversificou sua estrutura curricular e seu programa de pesquisas pela incorporação de outros campos temáticos da economia.

A divulgação do esforço de pesquisa realizado no centro sempre foi elemento central desde sua concepção. Em 1974 foi lançada a Série de Textos para Discussão do Cedeplar, que divulga resultados preliminares de estudos desenvolvidos no âmbito do centro. Hoje, a série conta com mais de 500 números, com catálogo completo disponível online.

Consolidando uma experiência de 35 anos, o programa passou por uma renovação a partir de 2001, com a criação do doutorado e a mudança da estrutura curricular do mestrado. Uma das diretrizes básicas desse processo foi a manutenção do pluralismo teórico, ao mesmo tempo em que se assegura a oferta do núcleo duro de disciplinas dos cursos convencionais de economia - microeconomia, macroeconomia e métodos quantitativos.

Juntamente com a reforma curricular e a criação do curso de doutorado, o programa passou a planejar e a implementar um processo significativo de internacionalização. Esse processo incluiu não só a formação do quadro docente atrelado ao programa, mas também a construção de redes internacionais de cooperação através do intercâmbio de professores e pesquisadores. Um dos resultados desse processo foi o aumento significativo das publicações internacionais dos professores programa. Outro atestado do sucesso do esforço realizado é o fato de que três dos cinco centros de estudos internacionais fundados pela UFMG, o Centro de Estudos Indianos, Centro de Estudos sobre a Ásia Oriental e o Centro de Estudos Europeus são hoje coordenados por professores do programa.

Outro marco recente importante para o programa foi a mudança para as novas instalações da Faculdade de Ciências Econômicas no campus Pampulha, em 2008. A mudança significou a melhoria substantiva das instalações do Cedeplar, incluindo salas de pesquisa, gabinetes e espaços comuns, além de permitir o estreitamento da relação com outras unidades da universidade.

Uma das características mais marcantes do Programa de Pós Graduação em Economia do Cedeplar é a participação permanente dos seus professores nos dois cursos de graduação do Departamento de Ciências Econômicas da UFMG: o curso de Ciências Econômicas e o curso de Relações Econômicas Internacionais, avaliados com nota máxima pelo Ministério da Educação. Todos os professores do programa de pós graduação lecionam semestralmente disciplinas nos cursos de graduação. Assim, alunos de graduação dos programas de iniciação científica convivem com alunos de mestrado, doutorado e outros pesquisadores e professores experientes nos diversos grupos de pesquisa. Essa relação simbiótica leva à permanente renovação dos programas de curso, além da reforçar o pluralismo de ideias nos dois níveis de ensino.

Em função de todos esses fatores, os programas de mestrado e doutorado têm experimentado um processo continuo de aperfeiçoamento. Como reflexo dessa trajetória, o programa obteve conceito 6 na última avaliação da Capes realizada em 2013.

A coordenação didática do Programa de Pos-graduação em Economia é exercida por um Colegiado, que elege um(a) coordenador(a) com mandato de dois anos. 

Áreas de Concentração

Atualmente o Programa de Pós-Graduação em Economia abriga os cursos de Mestrado e Doutorado e suas áreas de concentração refletem as linhas de pesquisa desenvolvidas no programa. O curso de mestrado apresenta uma área de concentração, denominada Economia, e o curso de doutorado contempla três áreas de concentração:

  • Economia Aplicada;
  • Economia Regional, Urbana e Desenvolvimento. 
  • História Econômica, Economia Política e História do Pensamento Econômico.

A área de concentração Economia Aplicada trata dos conteúdos de Microeconomia e Macroeconomia Aplicada. Nessa área, o centro tem diversos grupos de pesquisa, incluindo as temáticas de Organização Industrial, Macroeconomia e Finanças Internacionais, Crescimento Econômico, Economia Monetária, Economia do Bem Estar Social e Economia da Tecnologia. A área de História Econômica, Economia Política e História do Pensamento Econômico trata de forma ampla dos conteúdos de história econômica, inclusive em suas conexões com a história demográfica e história social, da economia política, e da história do pensamento econômico, incluindo também aí todas as questões relativas a metodologia e filosofia da economia. A área de Economia Regional, Urbana e Desenvolvimento contempla diversas questões dos campos da Economia Regional, da Economia Urbana e do Desenvolvimento Econômico, tratando estes campos do conhecimento de forma estanque como também integrada.

O Programa de Pós-Graduação em Economia apresenta longa experiência de trabalho conjunto de docentes e entre estes e o corpo discente. O Programa envolve atividades de ensino e de pesquisa, com grande ênfase em questões relativas a estudos de economia aplicada e suas implicações para as políticas públicas, além de aproveitar as sinergias interdisciplinares com o Programa de Pós Graduação em Demografia do Cedeplar/UFMG, não apenas em termos de infra-estrutura física, mas também na esfera acadêmica, especialmente nas áreas de economia do trabalho e migrações. Conjuntamente, os programas de pós-graduação do Cedeplar contam com mais de vinte grupos de pesquisa registrados no CNPq. Os grupos refletem o pluralismo teórico, a diversidade da formação de seu corpo docente e a transdisciplinaridade da produção acadêmica dos professores do Centro.

Objetivos

Os cursos de mestrado e doutorado do programa de Pós-Graduação em Economia do Cedeplar buscam oferecer sólida formação acadêmica, marcada por pluralidade teórico-metodológica e amparada por pesquisas na fronteira do conhecimento nas áreas de economia aplicada, metodologia, economia política, história e teoria econômica. O Programa visa a reflexão sobre questões pertinentes à ciência e história econômica, como também estimular a avaliação e formulação de políticas públicas. O aumento da internacionalização do Programa tem sido um objetivo alcançado com êxito, juntamente com o estímulo à produção intelectual na forma de publicações para docentes e discentes, em associação com as linhas de pesquisa, e com a titulação dos alunos dos cursos de mestrado e doutorado.

Linhas de Pesquisa

As linhas de pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Economia do Cedeplar refletem a diversidade de formação e especialização do seu corpo docente, abrangendo amplo espectro de áreas, estando representadas por grupos de pesquisa no CNPq sob a liderança dos professores do Programa. As linhas de pesquisa são, principalmente:

  • economia regional e urbana;
  • economia social;
  • economia industrial e da tecnologia;
  • economia dos recursos humanos;
  • finanças internacionais, crescimento e desenvolvimento econômico;
  • teoria econômica;
  • história econômica, economia política e história do pensamento econômico;
  • economia matemática.

Avaliação CAPES

Na avaliação da pós-graduação brasileira conduzida pela Capes em 2017, o Programa de Pós-graduação em Economia do Cedeplar-UFMG obteve o conceito 6. Este resultado coloca o programa do Cedeplar entre os melhores cursos de pós-graduação em economia do país, confirmando o bom desempenho de todos os indicadores em comparação com as avaliações anteriores.

Segundo o relatório de avaliação da Capes, o programa alcançou conceitos "muito bom" em todos os quesitos avaliados, o que revela sua condição de programa consolidado e bem dimensionado. O mesmo relatório destaca a composição do corpo docente, o volume e qualidade de sua produção científica (artigos publicados em periódicos nacionais e internacionais, capítulos e livros) e o intercâmbio com pesquisadores e instituições estrangeiras.

Confira os detalhes da avaliação do programa do Cedeplar e o quadro-síntese dos conceitos obtidos pelos demais programas da área de economia.  

 

Avaliação da Capes referente ao triênio 2007-2009, Reconhecimento homologado pelo CNE (Portaria MEC nº1.077, de 31/08/2012, DOU de 13/09/2012, seção 1, página 25)